terça-feira, 30 de julho de 2013

Rapidinha: leitura acompanhada de Die unendliche Geschichte [ou: esses amigos são pra vida toda]

Aline estava à mesa, lendo um e-book d’A História sem Fim, de Michael Ende, em seu tablet. Ao seu lado havia a edição em alemão do mesmo livro, cuja dona é Elise, que estava em sua cama, à volta com uma pilha de livros a serem catalogados num app para celular.

— Que bonitinho — disse Aline, enquanto terminava de ler uma passagem do e-book. — Ele transcreve aqui o som da coruja. Será que ele faz isso em alemão também?

Aline pegou, então, a edição alemã e procurou a página correspondente.

— Olha, ele também transcreve. Olha aqui! — e mostrou a expressão "Huhu" na página. Elise pegou o livro e constatou que a coruja também fala no original.

— "'Huhu', machte der Nachtalb. 'Will man zur Kindlichen Kaiserin?'" — ela lê, e continua, agora traduzindo. — "'Huhu', disse a coruja. 'Quer ir ver a Imperatriz Criança?'". — Ela dá uma pausa, e continua.

— "'Ganz recht', sagte das Irrlicht"... isso é... "'exatamente', disse o fogo-fátuo". "'ich habe ihr eine wichtige Botschaft zu überbringen'"... deixa eu ver... eu tenho uma... er... "nicht die Botschaft zu beklagen", isso tá na letra de Der Morgen danach... ai, pera...

— Mensagem? — disse Aline.

— É. Mensagem. Danke. "Eu tenho uma mensagem importante pra entregar pra vocês"...

— Não, é pra ela — Aline interrompe de novo.

— É, tá certo. Ihr é "para ela". Se fosse "para vocês", seria "euch". Hmmm... "'Was denn für eine?', knartze der Felsenbeißer". Esse "was für" é tipo um "que", como em "was für ein Fest", é "que festa!". Então ele pergunta aí "que mensagem?".

— Ah, entendi.

— "Nun" é "agora". "'Nun', das Irrlicht trat von einem Bein aufs andere", aqui ele tá indo de uma perna pra outra, sabe?

— Sei.

— "es ist eine geheime Botschaft"... hmmm... é uma mensagem... ai... pera... deine Geheimnis...

— Secreta?

Nesta hora Elise tem um ataque furioso e grita:

— AAAAAAAAH SAI DAQUI!

Aline, temendo por sua vida, já que a amiga tinha em mãos um livro consideravelmente pesado, sai de um pulo do lugar onde estava e, tropeçando nos livros e na cadeira em seu caminho, vai se esconder atrás da porta do guarda-roupa.

— SUA VACA! DAS IST UNGLAUBLICH! DU KENNST MEHR DEUTSCH ALS ICH E VOCÊ NEM ESTUDA!

— ...só um pouquinho — Aline continuava escondida, mas começava já a querer rir.

Elise procurou algo para atirar na amiga, mas como não encontrava nada (— E EU NEM ACHO ALGUMA COISA MACIA PRA JOGAR EM VOCÊ, SUA VACA), tirou as meias, enrolou-as e jogou na direção de Aline. Esta jogou as meias de volta, e Elise atirou-as novamente.

— Coloca a meia, você vai ficar com o pé gelado... — dizia, temerosa, uma Aline já prestes a entrar em crise histriônica.

Elise pegou as meias mais uma vez, olhou para a amiga atrás da porta do guarda-roupa e começou a rir também.

— Sua vaca... vem cá.

E tirou a amiga de trás da porta e a abraçou.


Moral da história: nunca brinque de sopa de letrinhas com a Aline. Ela é capaz de inventar uma língua própria e acabar tirando uma com a sua cara sem querer. <3

4 comentários :

  1. Considere que a Aline estava com uma cópia traduzida do livro. Isso explicariao porquê de estar fácil pra ela adivinhar o que você estava traduzindo. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, a Aline REALMENTE é esperta com idiomas. Ela conhece no mínimo uns sete. E acaba pegando de mim o alemão por osmose.

      Excluir
  2. Respostas
    1. E quem não é? Ela é adoravelmente louca. <3

      Excluir