terça-feira, 2 de agosto de 2016

É, ele [ainda] faz falta…

Acho que a primeira vez que eu o vi foi num filme. Achei interessante que um cantor que obviamente era famoso estivesse “interpretando” a ele mesmo num filme. Não lembro que idade eu tinha, provavelmente uns 16, e eu devia achar que todo artista era meio fresco, que se retinha ao que ele fazia e ponto. Obviamente eu não o conhecia.

Eu não fazia ideia de que ele tinha feito outros filmes, muito menos que eu ia “ver” um deles no dia em que ele morreria e decidiria deixar pra assistir o filme quando estivesse melhor da cabeça – já que a cena mais linda do filme acompanha uma das músicas mais lindas que ele já fez e meu emocional não é bom o suficiente pra juntar as duas coisas. Lá se foi quase sete meses e eu ainda não tenho condições de ver o bendito filme.

Indiretamente, contudo, eu o conhecia. Ele tinha participado de uma música da banda que a minha mãe ouve desde antes de eu nascer e eu, por osmose, ouço desde pequena. E uma banda que eu andava ouvindo bastante naquela época havia feito um cover de uma música dele. Ironicamente, eu soube que a música era dele depois de aprender a tocá-la no violão. Mas isso também se explica: certa vez, pelo que eu li, quando um “fã” virou pra ele e disse que estava feliz que ele tinha feito um cover da banda famosa nos anos 1990, ele mandou esse fã ir se foder. Oops. Não era só eu que não sabia nada de música.

Depois daquele primeiro filme – e eu demorei ANOS pra efetivamente ouvir a música que ele cantou no palco – eu conheci algumas coisas mais. Eu não sou daquele tipo de fã que conhece TUDO do cara, mas eu conheço algumas coisas. Não tenho vergonha nenhuma de dizer que catei um monte de material dele nos dias após sua morte. Eu tinha pouca coisa, mas o que eu tinha, eu curtia muito.

Mas é, ele morreu. O planeta inteiro entrou em luto. Eu não parei de chorar por cerca de cinco horas. Eu conhecia tão pouco dele e não conseguia parar de chorar. Foi bem esquisito aquele dia. Eu tinha colação de grau marcada, mas não deu pra ir, por vários motivos, e provavelmente eu não ia ter cabeça pra iniciar outra etapa da minha vida justo naquele dia.

E eu ainda evito falar o nome dele, de tanto que ainda dói.

Marcadores: ,

4 Comentários:

Às 2 de agosto de 2016 20:03 , Blogger Alan Flamer disse...

E eu sei quem é, mas não vou falar o nome porque vai estragar a magia do post. Mas pode-se dizer que sua música vai ecoar ainda por muito tempo, inclusive em círculos científicos, para os quais ele fez várias devidas homenagens xD

 
Às 3 de agosto de 2016 09:12 , Blogger Laine disse...

Compartilho da sua dor, fiquei "fora do ar" e ainda hoje acho que não voltei ainda :\

 
Às 3 de agosto de 2016 14:26 , Blogger Elise disse...

E que também o homenageou em vida :)

 
Às 3 de agosto de 2016 14:26 , Blogger Elise disse...

Pois é, é estranho saber que ele não está mais aqui :(

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial