segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Descobertas da Semana - #4

E cá estamos com mais uma lista de Descobertas da Semana! São 30 músicas no shuffle - o shuffle é só pela diversão, mesmo.
Dessa vez o algoritmo manteve o título de descobertas e me trouxe bastante coisa que eu não conhecia. Algumas foram bem interessantes.

Descobertas da Semana - 05/02

Love will save you - Swans
Que música gostosa de ouvir! Eu achei que ela ia me dar sono - eu saí de casa hoje sem tomar café, então dá pra imaginar meu estado -, mas quando entrou o vocal, eu gostei! Bem legal, foi pra minha playlist.

Murderous - Nitzer EBB
E eu não sei por que eu ainda não incluí Nitzer EBB na minha lista de álbums. Esse tipo de música é tão fácil de ouvir que eu me pergunto por que eu não subo a Brigadeiro ouvindo algo como essa música pra desviar das pessoas - desviar, não chutá-las da minha frente. Boa pra ouvir em uma sessão de ergométrica, imagino - o verso "now don't be lazy" serve bem.

Hate is a 4-letter world - Shock Therapy
Pra uma música que começou com um piano meio tristinho, ela ficou interessante depois do grito. Os dois vocais me interessaram - um deles parece um pouco, até certo ponto, com o Robert Smith, mas acho que Tio Bob é meio como o John Malkovitch; enfim, divago. Eu gosto de música com vocal duplo, mas acho que essa é a primeira que eu ouço em que os dois estão cantando a mesma coisa. Curti.

A means to an end - Joy Division
Preciso comentar? A letra dessa música é incrível (pra quem gosta desse tipo de música, claro) e o baixo barítono do Ian tá sensacional. Mesmo no finalzinho. *suspira*

Blind vision - Blancmange
A voz desse cara e essa música me lembraram vagamente do Dave Gahan e do Depeche, respectivamente, principalmente pelos synths do começo. Isso me parece bem disco music, eu gostei mas nem tanto assim.

The Cabinet - Das Kabinett
Essa música é gostosa de ouvir no loop, ela não é pesada, nem rápida demais. É dançante mas não dá pra sair pulando, a não ser que você estoure as caixas. Boa, recomendo.

Dead disco dancer - O. Children
Outra que eu gostei. Tem uns pedaços dessa música que me lembram No milk today do Herman's Hermits (a piada com o nome da música é impublicável; será que mais alguém aí conhece essa música?), e o restante é o tipo de barulho que eu curto. Foi pra playlist também.

Kingdom - Dave Gahan
Atenção, senhoras e senhores, aqui temos o exemplo de uma música que todo mundo acredita que eu (re)conheço mas que eu só sei que tem a ver com Depeche porque eu reconheço a voz do Dave em qualquer lugar. Não, nunca ouvi os álbuns solo dele. Sim, Lu, você pode me matar quando vier aqui pra São Paulo. Só deixa passar o show, ok?
Anyway, é o Dave, eu vou gostar de qualquer jeito. Mas é uma música agradável.

Destillat (VNV Nation Remix) - Das Ich
Eu adoro essa música, e esse remix ficou bem interessante. A única coisa que eu senti falta foi do vocal feminino antes do refrão e durante algumas partes dele. O toque do VNV ficou bem legal.

Your hands on my skin - De/Vision
EU SOU LOUCA POR ESSA MÚSICA. Dito isso, sim, eu a reconheço em menos de dois segundos. Foi com ela que eu conheci o De/Vision e é isso aí. Leiam mais aqui.

I love you in your tragic beauty - The Legendary Pink Dots
Eu gostei do nome dessa música, fez eu lembrar de Lacrimosa (Road to pain, alguém? Praise the beauty and praise the pain?). Ela também é bem boa de ouvir, apesar de eu não conseguir identificar de onde ela saiu. Como trilha de fundo é excelente.

Mr. Alphabet Says - The Glove
Nesse caso aqui a voz parece a do Robert Smith porque é o próprio cantando. The Glove foi um supergrupo dele com um povo aí que era envolvido com o Siouxsie and the Banshees. O irônico é que tem umas histórias bem boas sobre o Tio Bob e a Siouxsie Sioux. Anyway, isso é The Cure sem ser The Cure, não curti muito não.

Somebody - Escape with Romeo
Achei essa música uma daquelas que entra numa playlist pra colar as outras. Tipo um interlúdio. A levada dela é gostosinha, com o baixo e a guitarra, e o vocal vai levando a letra com a melodia. Bem legal.

Sister Europe - The Psychedelic Furs
Essa é boa pra eu me concentrar. Ou ótima pra eu relaxar. Na verdade ela é tão gostosa de ouvir que eu tenho que tomar cuidado pra não me deixar levar por ela e começar a caçar o esquilo que habita minha mente quando ele resolve correr pelas minhas ideias.

Into a swan - Siouxsie
Eu não sabia que a dona Sioux podia fazer música assim! (ou talvez eu só goste de Christine e Hall of mirrors, mesmo, vai saber...).

The Calling - Death in June
Começo legal. Essa serve pra brisar em algum porão escuro ou pra se isolar do mundo. O moço tem um vozeirão legal e o instrumental é bem desse tipo: repetitivo e hipnótico.

Kiss kiss bang bang - Specimen
Eu estava totalmente inclinada a gostar dessa música se ela fosse só instrumental, porque esse baixo é beeeeeeeeeem daora (bass bitch mode: on). Daí entrou o vocal. Er... Ok...  o baixo continua. Queria saber qual foi a do algoritmo. De qualquer modo, eu sou uma bass bitch então essa passa pelo crivo.
p.s.: a continuação depois do silêncio me fez lembrar We care a lot do Faith No More. Corrijam-me se eu estiver errada.

This is not a love song - Public Image Ltd.
Mais alguém aí só conhece o PIL por causa do Acústico do Legião Urbana (quando o Renato canta Rise - aquela do "anger is an energy!")? Pois é. Ele diz com tanta veemência que "this is not a love song" que eu terminei a música convencida de que, ao contrário, this is a song to love. Tá, essa foi péssima. Mas é uma baguncinha boa de ouvir.

A song from under the floorboards - Magazine
Não vi muita graça nessa música, não. Ela ficou tocando aqui e quando eu vi, acabou. É só isso mesmo.

Qual - Xmal Deutschland
Esse Qual lê-se Kval, porque em alemão o Qu tem som de /kv/. Dito isso, pra mim as músicas do Xmal são boas distrações do tipo trilha de fundo. Eu nunca consegui me impressionar (do tipo PUTAQUEPARIU QUE MÚSICA FODA!) com as músicas dessa banda. Mas Matador foi uma que me ensinou a usar a expressão "was für ein Fest". Já é alguma coisa.

Theme for great cities - Simple Minds
Um instrumental delicinha do Simple Minds. Essa eu confesso que ignorei o "Theme" no nome da música e estava esperando uma letra. Mas é bem gostosa de ouvir. Parece mesmo que emula o tráfego de uma cidade - o que me faz pensar em Kraftwerk, mas isso é outra história.

In shreds - The Chameleons
Ela não é ruim. É bem feitinha, instrumentos no lugar, vocal adequado e bem alinhadinho, mas sei lá. Não chamou muito minha atenção. Pra quem gosta de uma levadinha bem guitarra e vocal, vale a pena.

Goodbye horses - Psyche
Qual que é, o Spotify tá querendo me fazer ouvir múltiplas versões das músicas que eu gosto? Falei dela semana passada, se não me engano. E toda vez que eu ouço vem a imagem de um serial killer dançando seminu na frente do espelho enquanto mariposas voam no quarto e uma refém grita num poço. Eu adoro aquele filme.

Dead and buried - Alien Sex Fiend
Eu já devo ter gostado de alguma música dessa banda em alguma lista passada, mas dessa vez eu achei tudo muito estranho. A começar pelo título... Anyway, ouvi ela inteira e nope. Essa eu passo, thanks.

Kebabträume - DAF
Outro nope, mesmo sendo em alemão. Eu não entendi muito bem de onde saiu isso, e mesmo eu curtindo synth nesse estilo, não me atraiu, não. Sei lá.

Things we never did - Sad Lovers & Giants
Essa pelo menos eu consigo dizer de onde saiu: de algum lugar entre o fim dos anos 1970 e o começo dos anos 1980, a julgar pelo instrumental do começo. Esses harmônicos sempre me fazem lembrar Play for today, do Cure (John Malkovich, lembram?). O sax me faz lembrar outra coisa que eu não sei o que é. Boa no geral, passa como trilha de fundo.

Snake dance - The March Violets
Eu QUASE não consigo não pensar numa piada ruim pro nome dessa música... Outra com levada pós-punk, mas que pode se juntar à amiguinha anterior no quesito trilha de fundo.

Desire - Gene Loves Jezebel
Por Apolo, eu adorava essa música. De verdade. Mas eu comecei a enjoar, assim como eu enjoei de uma porção de músicas que eu ouvi TANTO mas TANTO que não dá mais. De qualquer forma, fazia tempo que eu não ouvia. Nice.

The shadow of love - The Damned
A levada dessa música é gostosinha de acompanhar, apesar de, pra mim, não passar muito disso. Eu não sei identificar o estilo dessa música, mas parece também coisa do começo dos anos 1980, meio saindo do pós-punk. Mais uma pra minha trilha de fundo.

The new stone age - Orchestral Manouvers in the Dark
Eu NUNCA ouvi OMD. Podem me julgar. Mas, porém, contudo, todavia, achei o instrumental dessa meio barulhentinho. Tenho certeza de que as músicas do OMD são boas (por favor, afastem gentilmente tochas e forcados), mas essa eu não curti muito, não. Definitivamente vou ouvir mais coisas da banda.

Marcadores: , ,

4 Comentários:

Às 5 de fevereiro de 2018 21:30 , Blogger Alan Flamer disse...

Meu nível de retardamento. Você falou Nitzer EBB. Eu pensei Nietzsche é Bebê. Agora estou pensando num bebê bigodudo correndo uma esteira. O_O

Ah, tenho algo a dizer sibre baixo barítono,as tem que ser inbox ora evitar manilos rssss.

The Cabinet - Das Kabinett, o nome da música é o nome da banda em inglês?

Destillat (VNV Nation Remix) - Das Ich: vocal feminino é legal pra vc quando não é o principal. Hahahha essa foi a minha descoberta da semana.

Músicas que servem de interlúdio. Eu tenho algumas dessas, mas quando to na vibe de finalizar um trampo eu geralmente pulo elas.

E ainda acho a metáfora do esquilo excelente. Me perfunto o que ele faz com todas as nozes.

The Calling - Death in June: ATENÇÃO ALAN, SEU NOOB. THE CALLING AQUI É A MÚSICA, NÃO A BANDA.

Quando vc falou de som de /kv/ eu me lembrei do 4chan. Será que essa referência vc pega? XD

 
Às 6 de fevereiro de 2018 09:05 , Blogger Lu disse...

Calma, guria, não vou te matar não hehehe Só vou te dizer pra ouvir os álbuns, algumas músicas são muito boas. Recomendo principalmente os dois álbuns com o Soulsavers, o último é excelente.
Kingdom é do segundo álbum solo do Dave, amo essa música, escuto até hoje :)

Tô anotando as tuas recomendações pra baixar pra mim, tá muito legal esses posts!

 
Às 11 de fevereiro de 2018 13:01 , Blogger Elise disse...

Passando por cima dessa dislexia toda, rs, sim, The Calling aí não tem nada a ver com aquele mocinho com vozeirão. E eu sempre achei o nome Nitzer EBB altamente confundível com niilismo hahahahaha
Quanto ao esquilo, ele tá comendo as nozes quando eu consigo que meu cérebro pare um pouco...

 
Às 11 de fevereiro de 2018 13:02 , Blogger Elise disse...

Eu vou ver se boto os álbuns na lista do Spotify pra ouvir, já que tê-los no HD não resolveu muita coisa... =P

 

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial